UNITA - ANGOLA
Fonte :
UNITAANGOLA
Declaração alusivo a assinatura dos Acordos de Paz e Bicesse
Bandeira-da-UNITA-509x430.jpg
A 31 de Maio de 1991, no Pal√°cio das Necessidades, em Lisboa-Portugal, foram assinados os ACORDOS DE PAZ PARA ANGOLA, conhecidos tamb√©m por ‚ÄúACORDOS DE BICESSE‚ÄĚ. Foram seus signat√°rios o Engenheiro Jos√© Eduardo dos Santos e o Doutor Jonas Malheiro Savimbi, respectivamente pela, ent√£o, Rep√ļblica Popular de Angola e pela UNITA, sob media√ß√£o do Governo Portugu√™s.

A paz, o Estado Democr√°tico de Direito com elei√ß√Ķes regulares, a Economia de Mercado, a cria√ß√£o das For√ßas Armadas Angolanas, e a Pol√≠cia Nacional republicanas constituem o cerne daqueles acordos.

Com os Acordos de Bicesse, Angola testemunhou a realiza√ß√£o das primeiras elei√ß√Ķes legislativas e a √ļnica elei√ß√£o presidencial directa, nos dias 29 e 30 de Setembro de 1992. Na sequ√™ncia das mesmas infelizmente o conflito armado retomou ao pre√ßo de milhares de vidas de angolanos.

Bicesse é igualmente o esteio do Protocolo de Lusaka e do Memorando de Entendimento Complementar de Luena, do qual nasceu a actual paz militar.

Os 31 anos dos Acordos de Bicesse acontecem a poucos meses da realiza√ß√£o das quintas elei√ß√Ķes gerais. Esta important√≠ssima meta constitucional interpela a consci√™ncia de todos, actores pol√≠ticos e sociedade em geral, para uma profunda reflex√£o sobre o papel e as responsabilidades de cada um na perspectiva de um processo transparente, com verdade eleitoral, e credibilidade nacional e internacional.

Confiante na maturidade dos angolanos, a UNITA assegura e tranquiliza os cidad√£os que est√° preparada e pronta para merecer o voto maiorit√°rio dos cidad√£os angolanos eleitores e, com todos, exercer uma governa√ß√£o inclusiva e participativa. Por isso exorta o povo angolano √† vigil√Ęncia e a n√£o deixar-se manipular por aqueles que, h√° mais de 46 anos, muito prometem e muito pouco fazem para melhorar a vida da maioria dos cidad√£os angolanos, sobretudo as mulheres e a juventude.

Neste dia, a UNITA reafirma a sua firme determinação e compromisso de manter a paz e trabalhar, com todas as forças vivas da sociedade, para o aprofundamento e consolidação do Estado Democrático de Direito.

A UNITA regozija-se pelo facto hist√≥rico de ter contribu√≠do, espiritual e materialmente, para o alcance dos Acordos de Bicesse, atrav√©s dos quais Angola passou a ser, no plano formal, um Estado Democr√°tico de Direito, com o desafio do seu aprofundamento colocado diante de todos os angolanos de todas as gera√ß√Ķes.

A UNITA lamenta que 31 anos após a instauração do estado de Direito em Angola, ainda ocorram actos de violação dos direitos humanos, como os ocorridos recentemente em Caculo Cabaça, em que trabalhadores reivindicando seus direitos foram repelidos e neutralizados a tiros de armas de fogo, resultando em mortos por chorar e feridos graves por curar.

A exist√™ncia de presos pol√≠ticos, na sua maioria jovens, √© infelizmente o corol√°rio de um Estado ditatorial que ainda subsiste em Angola. Do outro lado, a exclus√£o e a intoler√Ęncia pol√≠ticas s√£o outros factores que atentam contra ao esp√≠rito de Reconcilia√ß√£o Nacional, acrescidos do sequestro, pelo Partido no poder, de institui√ß√Ķes tais como os tribunais, a administra√ß√£o eleitoral e os meios estatais de comunica√ß√£o social.

A UNITA serve-se da oportunidade para enaltecer a mem√≥ria do seu Presidente Fundador, Dr. Jonas Malheiro Savimbi, e de todos os filhos de Angola que, dos dois lados do conflito, verteram o seu suor e sangue para que as negocia√ß√Ķes directas entre o Governo angolano e a UNITA tivessem lugar, com vista ao estabelecimento de um clima de paz em Angola. Exorta que, inspirados pelas li√ß√Ķes aprendidas do passado, os angolanos sejam capazes de resolver as suas diferen√ßas pelo di√°logo, excluindo o recurso a qualquer tipo de viol√™ncia, seja qual for a fase do calend√°rio politico nacional.

A UNITA acredita que a vontade soberana do povo, livremente expressa nas urnas e a verdade eleitoral, venham a imperar, sobre as inten√ß√Ķes e tentativas de recurso √† viol√™ncia contra as institui√ß√Ķes democr√°ticas.

Luanda, 31 de Maio de 2022

O Secretariado Executivo do Comité Permanente da Comissão Política da UNITA

www.unitaangola.org
C:\Mes Sites\Unitaangola29122013\UNITAANGO_WEB\coqUNITA.jpg
 Publicidade
Obra de Isaías Samakuva
Ex-Presidente da UNITA (2003-2019)
Todos os direitos reservados
Secretariado da comunicac√£o e Marketing da UNITA
União Nacional para Indepedência Total de Angola
¬©  Copyright 2002-2020
Sabado, 25 de Junho de 2022